Voltar

Notícias

TEMPESTADES ELÉTRICAS: Para-raios podem evitar prejuízos

15 de agosto de 2016

TEMPESTADES ELÉTRICAS: Para-raios podem evitar prejuízos

Rio Grande do Sul tem grande incidência de tempestades elétricas e, por isso, especialista alerta sobre problemas causados por elas. 
 
Na noite deste domingo, dia 14, uma tempestade elétrica proporcionou um espetáculo no céu de Passo Fundo, porém, ao mesmo tempo, trouxe à tona a preocupação com os prejuízos que possam ser causados por ela. O observador meteorológico Ivegndonei Sampaio, da Estação Meteorológica da Embrapa Trigo, explicou que a tempestade de ontem foi de intensidade moderada e ela normalmente ocorre devido à existência de nuvens muito carregadas e com o choque de uma frente fria com o ar quente, o que é comum no estado.
Estima-se que cerca de 50 milhões de raios caem no Brasil por ano e o Rio Grande do Sul juntamente com os estados de Santa Catarina, Mato Grosso do Sul, São Paulo e Rio de Janeiro são eixos de maior incidência de raios e descargas elétricas. Quando os sistemas elétricos, redes de transmissão, de distribuição ou equipamentos a elas conectados são atingidos as tensões normais são repentinamente elevadas a valores normalmente não suportáveis pelos equipamentos, podendo danificá-los. Os prejuízos causados vão desde problemas com instalações elétricas, eletrodomésticos ou equipamentos até vítimas fatais, principalmente na zona rural onde a incidência é ainda maior. De acordo com o engenheiro eletricista, proprietário da A3E Engenharia, Jacir Vicente Werle, uma forma de prevenir acidentes e os prejuízos causados pelas descargas elétricas é investir em um Sistema de Proteção de Descargas Atmosféricas, conhecido tecnicamente por SPDA, ou popularmente como para-raios. Segundo ele, este equipamento busca minimizar os efeitos destruidores a partir da colocação de pontos preferenciais de captação e condução segura da descarga para a terra. Porém, Werle alerta que a instalação dos para-raios precisa obedecer todas as regras vigentes determinadas pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) e depois de instalados os equipamentos necessitam de manutenção periódica. O grau de proteção muda em relação a cada uso, pois dependendo do local há equipamentos especiais para recepção da descarga elétrica.
A instalação de um sistema de descargas atmosféricas não impede a fenômeno da descarga, pois esse é natural e impossível de evitar, mas proporciona um caminho seguro para a eletricidade, protegendo primeiramente a vida das pessoas e dos animais, e os investimentos nos equipamentos e infraestrutura.
 
O que são para-raios
Os para-raios são condutores metálicos que ficam conectados a terra através de vias seguras. Esses condutores têm as mais variadas formas e são estrategicamente colocados nos diversos tipos de edifícios, criando um caminho seguro para a passagem da descarga elétrica, ou seja, para a passagem do raio. Em dias de tempestade, deve-se evitar campos de futebol e outras áreas abertas, como pasto, lavouras e ficar longe de latarias, objetos metálicos, cercas elétricas não aterradas e grande árvores, e sair do mar ou de piscina. Bons abrigos são casas ou prédios (preferencialmente com proteção contra raios) de estruturas sólidas ou túneis. Afaste-se de janelas com estruturas metálicas.